Documente online.
Username / Parola inexistente
  Zona de administrare documente. Fisierele tale  
Am uitat parola x Creaza cont nou
  Home Exploreaza



























DIREITO CIVIL - Atos Ilícitos, Responsabilidade Civil, Dano

Portugheza











ALTE DOCUMENTE

Windows NT password & LanManage
Os limites do Estado face ao dinheiro
AutoCAD Raster Design para AutoCAD Map 3D 2008 - Imagens Satélite
Algumas dicas de manuseamento de legendas
SENTENÇA
Mestrado em Informática - Data Warehouse, Data Mart, Data Mining
DIREITO CIVIL - Pessoas Jurídicas e Bens
DIREITO CIVIL - Direito de Família




DIREITO CIVIL - Atos Ilícitos, Responsabilidade Civil, Dano

1. ATOS ILÍCITOS

As disposições sobre os atos ilícitos, no Código Civil, sao encontradas nos artigos 18615 a 188. Dispõe o artigo 186 do diploma civil 858i84i que aquele que, por açao ou omissao voluntária, negligência ou imprudência, violar direito ou causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. A verificaçao da culpa e a avaliaçao da responsabilidade regulam-se pelo disposto nesse código, nos artigos 927 a 943 e 944 a 954.

            Ato ilícito é, portanto, a infraçao ao dever de nao lesar outrem. A lesao abarcada pelos dispositivos legais trata-se daquela que cause dano, tanto de natureza patrimonial quanto de natureza moral.

            O referido artigo impõe a todas as pessoas o dever de nao lesar outrem (neminen laedere). Todo aquele que causa um dano deve repará-lo, desde que a vítima prove que o causador do dano agiu com culpa. Assim, o diploma civil pátrio adotou, como regra, a teoria subjetiva, segundo a qual deve-se proceder na análise da existência de culpa do agente.

            A "culpa" pelos atos ilícitos, a que se refere o artigo 186, tem sentido amplo, abrangendo tanto o dolo quanto a culpa em sentido estrito (imprudência, negligência ou imperícia) e recebe a denominaçao de culpa aquiliana, em decorrência de sua origem (Lex Aquilia).

            Em alguns casos, o ato poderá ser ilícito tanto na esfera civil quanto na penal, podendo, ainda, ser somente um ilícito penal. Entretanto, deve-se salientar que, na maioria das vezes, o ilícito penal é também ilícito civil, pois este sempre, ou quase sempre, gera um prejuízo à vítima.

            As implicações decorrentes de um ilícito civil sao diferentes daquelas que decorrem de um ilícito penal, uma vez que aquele tem como conseqüência tornar o agente responsável pela reparaçao do dano, a teor do que dispõe o artigo 186 do Código Civil (responsabilidade civil) sendo tal responsabilidade de cunho patrimonial. Com relaçao aos ilícitos penais, ao agente é imputado castigo corporal, sendo a responsabilidade de cunho pessoal, nao se transferindo a terceiros como é possível de ocorrer na responsabilidade civil. A título de exemplo, temos a responsabilidade civil do pai que responde pelo ato do filho, do patrao que responde por ato de seu empregado, do Estado que responde pelos atos do servidor.

2. RESPONSABILIDADE CIVIL

            Na apreciaçao da responsabilidade, como anteriormente mencionado, o Código Civil adotou a teoria clássica chamada teoria subjetiva, segundo a qual a vítima tem o ônus de provar a culpa (em sentido amplo) do causador do dano. Essa teoria passou a ser injusta para a vítima, uma vez que, em alguns casos, é muito difícil provar a culpa do causador do dano. Em decorrência dessa dificuldade, adotou-se a presunçao de culpa em certas situações, como é o caso da presunçao de culpa do dono de animal que causa dano, como se verifica no artigo 936 do Código Civil.

            Surge, entao, uma nova teoria chamada teoria objetiva, segundo a qual aquele que obtém vantagens no exercício de determinada atividade deve responder pelos prejuízos que essa atividade lucrativa venha a causar. É o brocardo jurídico "quem aufere os cômodos, arca também com os incômodos". Nessa teoria a culpa nao é discutida, a responsabilidade baseia-se no risco (princípio da eqüidade).

            Concluindo, é possível afirmar que a responsabilidade, via de regra, se baseia na culpa e,  em alguns casos (leis especiais), adotou-se a teoria objetiva.           

2.1. Responsabilidade Objetiva

            Trata-se daquela em que a vítima está dispensada de provar a culpa do causador do dano, seja porque essa culpa é presumida, seja porque a própria lei dispensa a prova.

            A responsabilidade objetiva comporta graus. O grau mais elevado é aquele em que a lei exige, daquele que causou o dano, a indenizaçao, sem que seja conferida ao agente qualquer possibilidade de provar sua inocência.

No grau menos elevado, há possibilidade de inversao do ônus da prova, no caso de culpa presumida. Por isso, a doutrina classifica essa responsabilidade objetiva em imprópria ou impura, pois o causador do dano pode provar que nao teve culpa. Essa responsabilidade se encontra no diploma civil em alguns casos, como no artigo 936, que admite a inversao do ônus da prova.

            A responsabilidade imprópria ou impura (que admite inversao do ônus da prova) é a que impera no Código de Defesa do Consumidor.

2.2. Responsabilidade Contratual e Extracontratual

            A responsabilidade extracontratual advém de situaçao de fato, e nao de um contrato entre as partes. É exemplo desta responsabilidade aquela decorrente de um acidente de transito.

O artigo 186 fundamenta a responsabilidade extracontratual quando dispõe que toda pessoa que causar prejuízo a outrem ficará obrigada a indenizar. Impõe  a todos, como já mencionado anteriormente, o dever legal de nao lesar outrem.

As pessoas também podem, entretanto, ser obrigadas a reparar danos decorrentes de inadimplemento contratual, ou seja, da quebra do dever contratual. Esta é a chamada responsabilidade contratual, a qual se resolve com a verificaçao das perdas e danos sofridos, a teor do que dispõe o artigo 389 do Código Civil. Assim, pode-se afirmar que há divisao na responsabilidade civil, podendo ela ser classificada em extracontratual e contratual. Em ambas a conseqüência é a mesma, qual seja, reparar o prejuízo causado. A diferença está no ônus da prova.

No caso de responsabilidade contratual, todo inadimplemento considera-se culposo (presunçao relativa), nao havendo necessidade de a vítima preocupar-se com a prova da culpa; quem deverá provar é o inadimplente. A menos que essa presunçao de culpa seja ilidida pelo inadimplente, este deverá indenizar. O contrato será elidido pelo inadimplente, caso prove a ocorrência de caso fortuito ou força maior. Culpa e caso fortuito ou força maior nao sao compatíveis entre si.

Quando se trata de responsabilidade extracontratual, nao existe presunçao de culpa, salvo casos especiais, sendo da vítima o ônus da prova, nao bastando a demonstraçao do prejuízo (artigo 186 do Código Civil).

A responsabilidade extracontratual exige alguns pressupostos:

·          açao ou omissao: omissao daquele que nao podia se omitir;

·          culpa em sentido amplo: dolo e culpa em sentido estrito;

·          dano: pressuposto inafastável de uma açao civil;

·          relaçao de causalidade.

Se presentes os pressupostos acima transcritos, o causador do dano fica obrigado a indenizar. Na responsabilidade objetiva, os pressupostos se reduzem a três, uma vez que o requisito "culpa" é dispensado.

2.3. Responsabilidade por Ato Próprio

            Via de regra, o indivíduo será responsabilizado pelo ato que praticou. Temos, entretanto, no Código Civil, alguns casos de responsabilidade por ato de terceiros, como é o caso do artigo 932, no qual há presunçao de culpa. Em se tratando de pai e filho, a presunçao é relativa, ou seja, provada a culpa do filho, presume-se a do pai, mas o pai ainda tem uma chance de provar que nao teve culpa. Diferente é a presunçao no caso da relaçao entre empregador e empregado,  a qual é absoluta (o empregador assume o risco da atividade).

A vítima pode escolher quem acionar, no caso de mais de um autor, uma vez que o artigo 942 do Código Civil determina a solidariedade da responsabilidade. Saliente-se que a solidariedade nao se presume; ela resulta da lei ou da vontade das partes.

           

2.4. Responsabilidade pelo Fato da Coisa ou Animal

            O dano pode ser causado nao só pelo agente, como também por coisas que se encontram sob sua responsabilidade, como é o caso da coisa que cai da janela, vindo a atingir quem passa pela calçada.

O artigo 1.384 do Código Napoleônico responsabilizava o guarda da coisa inanimada. A palavra "guarda" foi usada no sentido de dono. Assim surgiu a teoria do guarda da coisa inanimada, que responsabiliza o dono das coisas em geral.

            Essa teoria é acolhida pelo Código Civil pátrio em alguns artigos, tais como os artigos 936 e 937.

            O artigo 938 responsabiliza o dono do prédio de onde é atirado ou cai algum objeto. Por analogia, este dispositivo é aplicado em todas as hipóteses ao dono da coisa em geral.

            Esses artigos sao mencionados como exceções à teoria subjetiva, pois é presumida a culpa do dono da coisa, mas nao de forma absoluta. No Brasil, portanto, a responsabilidade pelo fato da coisa ou do animal trata-se de responsabilidade excepcional, uma vez que se trata de responsabilidade objetiva imprópria ou impura.

            Entende-se que o dono da coisa só responde se tinha domínio sobre a coisa no momento em que ocorreu o fato. Se ele perde a disponibilidade da coisa (furto, roubo etc.), nao justifica a sua responsabilidade. Se, por sua negligência, concorreu para a perda da disponibilidade da coisa, será, porém, responsabilizado (artigo 186 do Código Civil)

2.5. Responsabilidade das Pessoas Jurídicas de Direito Público

            Passou por três fases históricas:

·          1.ª fase - irresponsabilidade do Estado: se o funcionário público causasse dano a alguém, somente ele responderia por esse dano. Essa fase durou enquanto durou a Monarquia, e era representada pela célebre frase The King do not wrong. No Brasil, essa fase terminou com a ediçao do Código Civil;

·          2.ª  fase - artigo 15 do Código Civil de 1916: a responsabilidade do Estado passou a ser subjetiva, ou seja, a vítima precisava provar a culpa do funcionário para que o Estado fosse obrigado a indenizar pelo dano;

·          3.ª fase - Constituiçao de 1946: a responsabilidade do Estado foi regulamentada, passando a ser tratada como Direito Público (Fase Publicista). A responsabilidade do Estado passou a ser objetiva, sendo regulada como matéria constitucional. À partir dessa modificaçao, a vítima nao precisa mais se preocupar em provar a culpa do funcionário, somente deverá provar que sofreu um dano e a relaçao de causalidade entre esse dano e o ato de algum funcionário público no exercício de suas funções ou pela execuçao de um serviço público.

No Direito Administrativo, surgiram algumas teorias que fizeram com que as Constituições, a partir de 1946, acolhessem essa responsabilidade objetiva, tendo como fundamento que o Estado presta serviços de risco e deverá assumir todos os riscos de dano que possa haver no serviço público. Dessas teorias, sobressaíram-se duas para justificar a responsabilidade objetiva do Estado:

·                       Teoria do Risco Integral: é muito rigorosa para com o Estado. Parte do princípio de que o Estado teria assumido integralmente todos os riscos dos danos que os particulares sofressem por conta dos serviços públicos. Nao admite qualquer forma de defesa para o Estado, nao podendo alegar , nem mesmo, caso fortuito ou força maior. Por essa rigidez, ela nao foi acolhida pelo sistema jurídico brasileiro.

·                       Teoria do Risco Administrativo: consiste em responsabilizar objetivamente o Estado, mas ao mesmo tempo permitir que o Estado possa afastar sua responsabilidade, provando a culpa exclusiva da vítima, caso fortuito ou força maior. Essa teoria inverte o ônus da prova, ou seja, hoje quem deverá provar a culpa é o Estado e nao mais a vítima. Entao, a inexistência de testemunhas prejudica o Estado,  pois  a ele incumbe a prova da culpa da vítima. Nos casos em que há culpa concorrente da vítima, haverá mitigaçao da indenizaçao (indenizaçao será reduzida pela metade).

O Estado responde nao só por açao, mas também por omissao.O que se discute é se, em relaçao à omissao, o Estado também terá responsabilidade objetiva. Alguns autores entendem que quando o Estado se omitir, ele nao será responsabilizado objetivamente, cabendo à vítima a prova da culpa. Deve haver a relaçao de causalidade entre o dano causado e a omissao do Estado.A Constituiçao Federal de 1988 trata da responsabilidade do Estado no artigo 37, § 6.º, trazendo duas inovações em relaçao às constituições anteriores:

·          a substituiçao da palavra "funcionário" por "agente", o que causa ampliaçao no espectro da responsabilidade, uma vez que "agente" é expressao mais abrangente;

·          estendeu a responsabilidade objetiva às pessoas jurídicas de Direito Privado prestadoras de serviço público, ou seja, as concessionárias e as permissionárias de serviço público também serao responsabilizadas de maneira objetiva pelos atos praticados, assim, a título de exemplo, as empresas de serviço de transporte coletivo serao responsabilizadas objetivamente pela prática de atos lesivos.        

O § 6.º do artigo 37 da Magna Carta permite que o Estado mova açao regressiva contra o funcionário, ou seja, se o Estado vier a ser condenado por culpa de seu funcionário, terá direito de regresso contra ele. A responsabilidade do funcionário nesse caso, entretanto, é subjetiva, ou seja, depende de prova de culpa.

            Com efeito, sempre que alguém tem direito a uma açao regressiva contra outrem, pode fazer uso da denunciaçao da lide para economia processual, nos termos do artigo 70, inciso III, do Código de Processo Civil. Entao, caso o Estado tenha direito à açao regressiva contra funcionário, poderá fazer uso do instituto quando da apresentaçao da contestaçao. A lide principal será aquela que a vítima move contra o Estado e a lide secundária será aquela em que o Estado requer o regresso do funcionário. Nesses casos, o juiz deverá, em uma única sentença, decidir as duas ações. O juiz poderá, entretanto, julgar procedente a lide principal e improcedente a lide secundária se o Estado nao demonstrar a culpa do funcionário.

            Importante frisar a existência de corrente que entende que nao se poderia denunciar da lide nos processos em que isso acarretasse um atraso na lide principal. Entao, nesses casos, a denunciaçao da lide deveria ser indeferida, pois a responsabilidade do Estado é objetiva e a do funcionário é subjetiva, havendo necessidade de demonstraçao de culpa. Entao, como a sentença será única, a lide principal será atrasada. Essa mesma corrente também alega que nao haveria sentido a denunciaçao da lide, tendo em vista o antagonismo na defesa do Estado, ou seja, contesta alegando culpa exclusiva da vítima e denuncia a lide alegando que a culpa foi de seu funcionário.

            Oportuno se faz lembrar que há possibilidade de a vítima mover  uma açao contra o funcionário e nao contra o Estado. A vantagem é que a execuçao seria mais rápida, no entanto a vítima teria que demonstrar a culpa, tendo em vista que a responsabilidade do funcionário público é subjetiva.

3. DANO

Dano é o efetivo prejuízo sofrido pela vítima de um ato.

Este pode ser:

·          patrimonial (material): atinge os bens da pessoa;

·          extrapatrimonial (moral): atinge a dignidade, a honra, ou seja, ofende os direitos da personalidade.

Há possibilidade de cumulaçao das duas "modalidades" de dano.

            Ao tratar do dano patrimonial, cabe ao prejudicado pleitear o "ressarcimento" do prejuízo. Quanto ao dano moral, pleiteia-se a "reparaçao".

            O dano pode ser:

·          direto;

·          indireto: chamado de dano em ricochete, que é aquele que atinge uma pessoa, mas, indiretamente, atinge um terceiro. Exemplo: matar o marido que paga pensao à esposa.

Todo prejuízo deve ser indenizado. Para se calcular o valor do dano, nao se leva em conta o grau de culpa. O cálculo da indenizaçao é feito com base na extensao do prejuízo. Todo prejuízo que a vítima puder provar será indenizado.

            O dano deve ser certo e atual, ou seja, nao se pode indenizar o dano futuro e meramente hipotético. Em casos de lesões corporais, tem-se admitido o reexame das lesões.

            O dano material segue, para sua apuraçao, a regra do artigo 402 do diploma civil (perdas e danos). Esse artigo explica em que consistem as perdas e danos: o que a pessoa efetivamente perdeu (dano emergente) e o que ela razoavelmente deixou de lucrar (lucro cessante). A prova do lucro cessante é mais difícil, pois é sempre baseada no pretérito, ou seja, no quanto vinha rendendo em determinado período.

            Além das perdas e danos, outras verbas costumam ser acrescidas, tais como a correçao monetária, que incide desde a data em que a pessoa sofreu o prejuízo, assim como os juros, que podem ser simples ou compostos. Os juros legais sao da ordem de 0,5% ao mês.

            Juros simples sao contados sempre sobre o montante inicial do prejuízo e incidem desde a data do fato, conforme se verifica na Súmula n. 54 do Superior Tribunal de Justiça: "Mesmo quando o fato é mero ilícito civil, sobre o valor do prejuízo incidem os juros moratórios desde a data do fato".

            Na indenizaçao podem incidir outras verbas, como no caso de morte do chefe de família, em que cabe a título de exemplo, o pagamento de 13.º salário. Quando o falecido se trata de arrimo de família, esta passa a receber 2/3 (dois terços) dos rendimentos mensais que o falecido ganhava, assim, considera-se que o  restante (um terço) era gasto pelo próprio do falecido.

            O dano moral é aquele que afeta nao o patrimônio, mas os direitos da personalidade (honra, dignidade, intimidade etc.), e podem, conforme anteriormente mencionado, ser indenizado. O dano moral tem o sentido de compensaçao, sem preocupaçao de encontrar um valor que corresponda exatamente ao valor que supra a dor experimentada pela vítima. Trata-se de "consolo" à vítima.

            As pessoas legitimadas a ingressar com açao pleiteando indenizaçao por danos morais sao as diretamente prejudicadas, que também teriam direito à compensaçao do dano material.

            A cumulaçao de pedidos de dano moral e dano material é possível, conforme se verifica na Súmula n. 37 do Superior Tribunal de Justiça : "Sao cumuláveis as indenizações por dano material e dano moral oriundos do mesmo fato". Assim, Permite-se a cumulaçao do ressarcimento do dano moral com a indenizaçao do dano material.

A Constituiçao Federal/88 acolheu o princípio de que o dano moral é indenizável. O artigo 1.º da Constituiçao assegura certos direitos básicos, dentre eles, o direito à dignidade. Além disso, determina o artigo 5.º, incisos V e X, da Constituiçao Federal que é assegurada a reparaçao do dano moral junto com o material quando ocorre ofensa à honra, à imagem ou à intimidade.

            O dano moral atinge também a honra objetiva, que se trata daquilo que outras pessoas pensam sobre o indivíduo. Tanto é que as pessoas jurídicas podem pleitear o ressarcimento pelo dano moral. As pessoas jurídicas têm honra objetiva (bom nome, conceito na sociedade).

            Surge o problema de como calcular o dano moral. Hoje, fala-se em buscar o valor como forma de compensaçao. Esta compensaçao tem duplo caráter, pois visa ao ressarcimento e à sançao, nao deixando de observar o princípio da reserva legal (nao há pena sem prévia cominaçao legal), posto que se trata de princípio aplicável a todo o ordenamento jurídico, e nao apenas no Direito Penal.

            No Brasil nao é seguido o sistema do tarifamento para apuraçao do prejuízo sofrido em decorrência do dano moral. Aqui, utiliza-se o sistema aberto, ou seja, arbitramento pelo juiz a cada caso (artigos 944 a 946 do Código Civil).

            O Código Brasileiro de Telecomunicações de 1962, que foi revogado pela Lei de Imprensa de 1967, trazia alguns critérios para apuraçao do dano moral (situaçao econômica do ofendido e do ofensor etc.) Essas leis estabelecem os valores mínimo e o máximo, que podem variar de 5 a 200 salários mínimos.

            O Supremo Tribunal Federal diz que esse limite máximo estaria revogado tacitamente pela Constituiçao Federal, que nao estabeleceu limite, o que impede que haja interpretaçao restritiva.

Por esse motivo, a jurisprudência entende que devem ser levados em conta alguns critérios, como a situaçao econômica do ofensor e do ofendido ("a dor do pobre vale menos que a dor do rico").

Como falamos acima, o Novo Código Civil além de diferenciar já no artigo 186 o dano moral do dano material, outorgou absoluta liberdade ao juiz para fixar o montante da indenizaçao por danos morais, no mesmo pensamento já adotado tanto pelo Supremo Tribunal Federal quanto pelo Superior Tribunal de Justiça. Além da norma acima citada, temos o disposto no artigo 944: 'A indenizaçao mede-se pela extensao do dano. Parágrafo único. Se houver excessiva desproporçao entre a gravidade da culpa e o dano, poderá o juiz reduzir, eqüitativamente a indenizaçao'.


Document Info


Accesari: 12287
Apreciat:

Comenteaza documentul:

Nu esti inregistrat
Trebuie sa fii utilizator inregistrat pentru a putea comenta


Creaza cont nou

A fost util?

Daca documentul a fost util si crezi ca merita
sa adaugi un link catre el la tine in site

Copiaza codul
in pagina web a site-ului tau.

 


Copyright © Contact (SCRIGROUP Int. 2014 )